BLOG

ESQUECE O TAL DO LASTRO!

Perguntas recorrentes nas últimas palestras:

– O que garante o valor do Bitcoin?
– Quem “chancela” a moeda e assegura que ela tem valor?
– Existe algum banco, governo ou organização que armazena, controla e distribui os Bitcoins?

Vamos derrubar os mitos.

Já faz muito tempo que nenhuma moeda nacional – emitida por um banco central – tem lastro.

O valor de qualquer moeda, física ou digital, é determinado basicamente pelos seguintes fatores:
– Aceitação no mercado: oferta e demanda
– Escassez

No caso das moedas nacionais, o governo força a aceitação e a exclusividade, ao mesmo tempo em que controla a emissão. Oferta e demanda são, portanto, consequências naturais e não há concorrentes. A taxa de emissão é ajustada de acordo com índices econômicos e isso acaba por determinar eventual inflação/desvaloriazação.

No Bitcoin:

1. A emissão é controlada pelo protocolo: pré-determinada neste momento em 25 Bitcoins a cada 10 minutos aproximadamente. Em 2140, todos os 21 milhões de bitcoins terão sido emitidos. Existe uma escassez que além de prevista, é imutável e diminui com o tempo. Isso contribui diretamente para o valor da moeda e sua tendência de valorização no longo prazo.

Considere o fato (não negligível) que senhas são perdidas/esquecidas – Bitcoins saem de circulação – e temos ainda mais escassez conforme o tempo passa.

2. Oferta e demanda funcionam naturalmente como em qualquer mercado de capital: interesse, confiança, notícias, análises, estabelecimentos que aceitam ser pagos em Bitcoin, quantidade de usuários e moedas disponíveis em uma determinada corretora. A maior parte dos usuários de Bitcoin entrou no sistema em 2017. Por isso a valorização recente, relacionada diretamente ao número de pessoas participando do mercado: comprando, vendendo e transferindo.

3. Papel moeda é confiável porque utiliza um papel difícil de se forjar. Pode ser gasto pelo portador. Qualquer pessoa pode comprar um café com dinheiro vivo sem apresentar qualquer forma de identidade. Bitcoin é confiável porque utiliza um sistema (blockchain) difícil de se forjar. Pode ser gasto pelo portador (que detém a senha). Qualquer pessoa pode transferir Bitcoins sem apresentar qulquer forma de identidade.

Percebe as semelhanças?

4. Uma das características principais do Bitcoin é ser um sistema descentralizado. Não existe uma organização central, qualquer internediário ou ponto de controle que pode ser infliuenciado ou manipulado. Democracia no seu sentido mais forte: vence a maioria, vence a melhor intenção. E assim o software evolui com o tempo. E assim o sistema se fortalece (e se valoriza) conforme a quantidade de usuários aumenta. São forças naturais que se equilibram: incentivos para se comportar bem, obstáculos para se comportar mal.

Após 9 anos, está claro que venceu o bem. E provavelmente continuará vencendo.

(volte nas perguntas acima e veja se consegue responder)

PATÉTICO, BEIRANDO O CÔMICO!

“Projeto de lei que pode proibir e criminalizar o Bitcoin e outras moedas digitais no Brasil” é tão absurdo que só confirma a ignorância que reina sobre o assunto.

Como se o Brasil fosse o primeiro a tentar!

Os governos estão DESESPERADOS.
Assim como os bancos, os cartórios, os monopólios e todos aqueles que precisaram sair da zona de conforto.
Problema deles, não nosso.

Bitcoin não tem geografia.
Não se censura.
Não se confisca.

Para os investidores que apostam no longo prazo e querem comprar ainda mais, agradeçam aos deputados pela desvalorização excessiva no Brasil.

Mas tudo isso já era previsto.
E ainda vamos ter várias outras.

Eu vinha dizendo e continuo: o melhor investimento do momento é estudar.
Primeiro, o conceito, a filosofia.
Entender o tamanho do impacto do Blockchain.
Depois, tomar cuidados para gerir seu Bitcoin.

– Entender como adquirir e transferir (que tipo de software carteira usar e como utilizar)
– Saber como armazenar suas chaves
– Tomar eventuais medidas de privacidade
– Estar preparado para grande volatilidade e variações de preço nos próximos vários anos
– Apostar na valorização a longo prazo, ciente dos riscos
– Assistir de camarote a ignorância e o desespero alheios

Eu nunca vou recomendar que você invista em Bitcoin.
A decisão é SUA.
Mas tenha todas as informações para tomar uma decisão consciente.
E se alguma proposta lhe parecer tentadora, ignore.

NINGUÉM sabe o que vai acontecer com o preço do Bitcoin.
Assim como ninguém sabe QUANDO E COMO o Blockchain vai impactar nossas vidas.
Mas sobre esse último ponto, minha aposta consciente está bem formada: mais rápido – e muito mais forte – do que se imagina.

Dica para os governantes: aprendam com as gravadoras de música.

COM O PODER VEM A RESPONSABILIDADE

Não estamos muito preocupados com nossas senhas.

123456
qwerty
111111
password
[Aniversário do filho]
[Data de noivado]
[Nome da empresa + 2017] (na verdade 2015, porque não mudam a senha há dois anos)

E todos os seus dados estão comprometidos.
Acho que a pessoas não se importam de compartilhar seus e-mails publicamente.
Suas fotos. Inclusive as íntimas.
Suas vidas pessoais (bem, isso elas já fazem espontaneamente nas redes).

Mas se tem um jeito eficaz de ensinar segurança e privacidade para as pessoas, é mexer no bolso delas.

Sö existe UM jeito de movimentar seus Bitcoins: sua senha.
E aí não existe mais o link “esqueci minha senha” que nos deixou preguiçosos.
Não existe mais o telefone do SAC para abrir uma disputa.
Perdeu a senha, perdeu o dinheiro. Para sempre.

Muita gente ainda não está preparada para esse nível de responsabilidade.
Por um lado, a maior liberdade e autonomia da história.
Por outro, a falta de consciência para aproveitá-las.

Esse é um dos principais fatores que impedem a rápida adoção dos novos modelos.

Não sou particularmente anarquista, socialista, hippie, “free world”, muito menos sonhador.
Também não se trata de uma teoria da conspiração.
Mas sim, de você ter total controle de SEUS dados, ativos. e decisões.
Nada mais justo. Nada mais importante.
Responsabilidade SUA.

VOCÊ REALMENTE ENTENDEU!?

A verdade é que está todo mundo perdido.
Raras excessões.

Participei recentemente de um fórum sobre Blockchain em São Paulo.
Muitos dos palestrantes ainda não entenderam.
Não se trata de conhecer a tecnologia.

Você pode estudar o código, desenvolver, palestrar, empreender e até lançar um bom produto no mercado.
Mas se não compreender o CONCEITO, não vai se sustentar.

As características que fazem do Blockchain uma grande promessa são explicadas em texto, não em código-fonte:

– Aberto
– Neutro
– Incensurável
– Imutável

Elas existem por um motivo: retirar do jogo todo e qualquer intermediário, centralizador, fiscalizador ou árbitro que possa tirar controle do usuário.

Um banco dizer que está implementando Blockchain é, não só um absurdo, como um insulto à inteligência das pessoas.
Blockchain não significa inclusão no sistema bancário.
Blockchain significa TERMINAR com o sistema bancário.

O estudo de caso da moda é um cartório em São Paulo que implementou Blockchain.
“Vejam, os cartórios estavam preocupados em desaparecer, mas não, eles abraçaram a tecnologia!”
Bullshit.
O cartório foi esperto e está tentando ganhar uma sobrevida.
Ele já sabe que não vai durar muito.

É uma pena que o grande público demore um bom tempo para compreender.
Normal. É assim com qualquer grande ruptura.